sexta-feira, 30 de outubro de 2009

NF-E, BOM OU RUIM PARA AS EMPRESAS?

Para quem ainda não ouviu falar NF-e quer dizer Nota Fiscal Eletrônica, e tem como finalidade a alteração da sistemática atual de emissão da nota fiscal em papel, por nota fiscal eletrônica com validade jurídica para todos os fins. Na verdade a empresa emissora de NF-e irá gerar um arquivo eletrônico com informações fiscais da operação comercial, que por padrão é assinado digitalmente para que desta forma possa garantir a integridade dos dados e a autoria do emissor. O arquivo eletrônico que é gerado corresponde a NF-e, e será transmitido pela internet para a Secretaria da Fazenda de jurisdição do contribuinte que fará uma pré-validação do arquivo e devolverá um protocolo de recebimento, sem o qual não poderá haver o trânsito da mercadoria. No mês de abril de 2008 alguns setores tiveram a obrigatoriedade de adotar a NF-e como: Petroquímico (Produtores, formuladores, importadores e distribuidores de combustíveis líquidos), Cigarreiro (fabricantes e distribuidores de cigarros), Retalhistas (Transportadores e revendedores retalhistas), já em setembro de 2008 outros setores como: Bebidas (Destiladas, Cerveja, Refrigerantes e Vinhos), Frigorífico, Cimento, Metalúrgico (aços semi-acabados e laminados, planos ou longos, relaminados, trefilados e perfilados, de ferro-gusa),Medicamentos (fabricação e distribuição), Automobilístico, Distribuidores de Energia Elétrica. Os principais benefícios do emissor da NF-e são a redução de custos de impressão, redução de custos de aquisição de papel, Redução de tempo de parada dos caminhões em postos fiscais e de fronteira, maior agilidade no processo (desburocratização), redução de custos de armazenagem de documentos fiscais, disponibilidade de estrutura para suporte de processos de Comércio Eletrônico - B2B (Pedidos, Notas Fiscais, Conhecimentos...) Já os benefícios do receptor da NF-e são a eliminação de digitação de notas fiscais na recepção de mercadorias, planejamento de logística possibilitada pela recepção antecipada da informação da NF-e, redução de erros de escrituração devido a erros de digitação de notas fiscais, disponibilidade de estrutura para suporte de processos de Comércio Eletrônico - B2B (Pedidos, Notas Fiscais, Conhecimentos). Agora imagine uma empresa que hoje emite 5.000 notas fiscais por mês, calculando o valor de R$ 0,151 de custo unitário com formulário contínuo, temos a economia de R$ 750,00 por mês, ou seja, é uma economia considerável, valor que muitas empresas pagam como mensalidade do software que utilizam.

Nenhum comentário: